Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



por Otília Martel, em 23.06.05

Entardecer


 

Amanhecem em mim
todos os dias quentes
de um tempo, que já vivi.

Em que virgem me fiz mulher,
mãe-menina de mil solidões,
embalada no sonho
que é a vida, aos turbilhões.

Amanhecem em ti
gaivotas no olhar,
plenas de liberdade
voando em dias serenos
de marés azuis e corais floridos,
de águas profundas
longe das multidões…

Entardecem em nós
momentos fulgurantes
em escoaçares constantes
de ave roçando o azul
do imenso infinito,
onde a eterna melodia
tocará, até ao nascer do dia.

E, da janela da vida,
o sol quente, suavemente,
num mar calmo de ilusões
entardeceu…

 


Poema destinado às Noites de Poesia S.Mamede de Infesta -17 de Junho

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor