Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



por Menina Marota, em 29.12.14

No final de mais um ano...

Quase, quase... no final de mais um ano.
Muita coisa aconteceu em 2014.
Alegrias, tristezas; sorrisos e lágrimas.
Mas o sorriso lindo do meu neto Luca trocou as minhas lágrimas por sorrisos; foi bálsamo para a dor que apertou o meu peito; arco-íris em dias de dilúvio.
2014 trouxe Olhos de Vida o meu mais recente livro de poesia e com ele o carinho dos que estiveram comigo no seu lançamento. Foram momentos felizes os que vivi nesse dia.
Recordar as coisas boas da vida. Recordar as pessoas que de qualquer forma me proporcionaram felicidade, é o meu compromisso.
Guardar os momentos épicos e entrar no novo ano bem à minha maneira: lutando por dias felizes.

Grata aos que comigo estiveram em 2014.  


Feliz 2015 a todos.  

 

(desligar a música do blogue, no final da página, para ouvir o vídeo, pf.)  

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


por Menina Marota, em 22.02.14

Um ano!

 

O Luca já fez um ano!

 

Parece-me ainda impossível que já tenha passado um ano desde o dia que o nascimento dele me tornou a Avó mais babado do mundo!

 

O coração enche-se de uma ternura desmedida, de um amor inigualável, sempre que o meu pensamento voa para ele, sempre que os seus belos olhos me olham, sempre que o seu sorriso me aquece o coração.

 

Queria escrever algo especial mas, confesso, o meu espírito transborda de tal maneira, que as letras vagueiam loucamente e brincam com o amor que sai dele, teimando em saltaricar sílaba a sílaba o fervor da minha alegria.



Belo o sorriso

nos teus olhos cor de malva

que acalma e deleita

meu coração de amor

por ti

 

Teus deditos

que apertam minha mão

são vara de mago

dentro do meu coração

 

Olhando-te,

o mundo pára para mim.

E és tu, meu pequenito

que floresces no próspero mundo

que desejo para ti.

 

 

 

 

Com o amor,

da Avó

 

Feliz Aniversário!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


por Menina Marota, em 08.02.14

Havia um menino

Gosto quando as palavras dos outros traduzem a alegria o choro e o sorriso da minha alma.

 

Porque mesmo nas palavras dos outros, a memória e a saudade, estão presentes.

 

Momentos únicos que revejo, tantas vezes, intimamente.


Um deles foi o de ter sido mãe e, confesso, que adorei.

 

A gravidez dos meus dois filhos (em situações diferentes) foi tão desejada que recordo somente os bons momentos, o prazer de cada movimento, os pontapés (às vezes a desoras), as mudanças do corpo e, inclusive, os típicos enjoos que não me incomodaram.

 

Houve muitos momentos de grande felicidade na minha vida, que evoco com saudade, mas a gravidez foi um dos maiores e melhores, só superada pela alegria de ter, pela primeira vez, o meu neto Luca nos braços.

 

Quem já é avó deve entender na perfeição esta dualidade de sentimentos; é uma dádiva que ultrapassa todos os sentidos.

 

Se adorei ter filhos, o que sempre foi um objectivo de vida (adorava ter tido mais, mas a vida não o permitiu), ser avó era um sonho que acalentei desde sempre.

 

Não se riam! É verdade.

 

Desde muito nova que o nome Avó me fascinava. E sempre desejei ter o privilégio de ser assim chamada. Concedida esta magnifica graça, o Luca é hoje, confesso, o menino dos meus olhos, do meu coração e, até, do meu sorriso; sempre que nele penso, apetece-me sorrir.

 

Até um poema inserido a páginas 7 do livro "Fernando Pessoa. Comboio, saudades, caracóis", organizado por João Alves das Neves em 1988, traz-me a lembrança do Luca e sorrio, feliz, lembrando os gorros, bonés e chapéus, com que os papás dele o protegem.

 

 

cama do Luca

 

 

Havia um menino


Havia um menino,
que tinha um chapéu
para pôr na cabeça
por causa do sol.

Em vez de um gatinho
tinha um caracol.
Tinha o caracol
dentro de um chapéu;
fazia-lhe cócegas
no alto da cabeça.

Por isso ele andava
depressa, depressa
p’ra ver se chegava
a casa e tirava
o tal caracol
do chapéu, saindo
de lá e caindo
o tal caracol.

Mas era, afinal,
impossível tal,
nem fazia mal
nem vê-lo, nem tê-lo:
porque o caracol
era do cabelo.

 

São nestes pensamentos que vagueio e que dão novo incentivo à minha vida.

 

Entre os afectos de quem amo e o amor das palavras que compõem a poesia da minha alma, é este o meu mundo.


Que partilho com gosto!

 
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)


por Menina Marota, em 07.02.14

The Lake

Autoria e outros dados (tags, etc)


por Menina Marota, em 06.02.14

Saudades do Verão!

Quardo do Luca

Apetece-me o Verão.

As roupas leves, os passeios na praia, pés descalços na areia molhada, os gelados na esplanada, o céu estrelado em noite de lua cheia.

Os passeios com o Sting, puxando-me, em correria, passeio fora, parando em cada árvore que se cruza com ele, nunca se cansando e deixando-me estafada de tanta correria.

Ah!… O Verão!...

Esta ansiedade do Verão conjuga-se com o anseio de ver o meu neto Luca, já a caminhar, de mão dada comigo, passeando pelo parque do Senhor da Pedra, o prazer de com ele jogar à bola, empurrar-lhe o baloiço ou segurá-lo no escorrega.

Imagino-o com aquele grande sorriso malandreco que ilumina e aquece meu coração a correr pelo relvado fora e o prazer daquela canseira feliz.
E o regresso ao doce ambiente do Lar…

Ah!… O Verão!...

Autoria e outros dados (tags, etc)


por Menina Marota, em 31.01.14

Passeio à beira-mar...

 

 

Foi sol de pouca dura o dia de ontem mas suficiente para o já saudoso passeio pela minha praia favorita. 

Irreconhecível. O passadiço destruído desfigurava por completo a agradabilidade do passeio matinal. A sujidade trazida pelas marés ou exposta pelo movimento da areia, onde provavelmente estaria escondida, dá um ar de completo desleixo a uma praia que primava pela areia limpa. 

Sinto a força do mar em cada onda que se vem espraiar na praia transfiguradada. 

A Capela, como desafiando a maré-alta, mantém toda a sua imponência. Lá dentro sente-se paz e nem o rumor do mar a faz quebrar; a luz difusa envolve o ambiente dando uma tonalidade misteriosa aos altares enfeitados de cravos frescos, vermelhos e brancos.

Deixo-me envolver por todo aquele magnetismo e esqueço-me de tudo o resto.

Gargalhadas despertam-me e despeço-me da Capela. 

Um jovem casal brinca na escadaria e sorri-me quando por eles passo. Sinto a felicidade que emana deles e retribuo o sorriso. 

É tempo de voltar. 

O vento continua a trazer-me o riso dos jovens que enche o meu coração. Sorrio, com a alma cheia de sentimentos positivos. 


O sol continua a brilhar. 

Autoria e outros dados (tags, etc)


por Menina Marota, em 08.01.14

Dádiva

Os pezitos do Luca
Ao meu neto Luca

 Gosto do teu olhar de leite.
Do sorriso rasgado que abre as portas do coração.
Dos sons que emites a dormir
quando sonhas com estrelas.

Gosto de te ter nos meus braços.
Afagar-te docemente e murmurar
tudo o que um dia vais descobrir por ti.

Gosto do teu cheiro suave e
do cabelo ralo que há-de crescer.

E quando não estou contigo
o pensamento voa e tu estás comigo
assim… aqui! ♥.
(Escrito a 22 de Maio de 2013 dia em que perfez 3 meses de Vida.)

Autoria e outros dados (tags, etc)


por Menina Marota, em 04.01.14

Semente de nós

Ternura Mãe e Filha
A Menina Marota e a sua Filhota, que hoje já é Mamã...



Cresce

no teu corpo

que já foi sementinha

dentro do meu.

Nos meus braços te embalei,
menina minha,
dona do meu coração.

 

Voaste, voaste,
mas no teu ninho
(braços meus)
sempre te albergaste.

Na ternura.

do amor que vos une,
a paixão frutifica e

cresce, cresce…

Um dia destes, 
oh suprema alegria, 
serei avó
mas serás sempre,

filha minha, 
a menina do meu coração.




Dedicado à minha Filhota e ao meu querido Genro que vão fazer de mim...Avó!
Amo-te. Amo-vos.
(Dez/2012)

Autoria e outros dados (tags, etc)


por Menina Marota, em 03.01.14

...imenso como o mar

"Aprendi com a primavera a me deixar cortar. E a voltar sempre inteira."  

 

Recordei esta frase de Cecília Meireles (que tanto diz de mim) ouvindo o som da chuva enquanto o vento fustigava os pés de orquídea dos vasos da minha varanda. Ao longe, as ondas de espuma branca, entravam-me olhos dentro.     


E na linha do horizonte o azul do céu confunde-se com o mar.  


Saboreio o quente do café que percorre as minhas veias com uma sensação de conforto perante o frio do vidro onde estou encostada.


Mil imagens passam perante os meus olhos e, muitas delas, fazem-me sorrir.    


Continuo a beber o café e as ondas do mar levam meu pensamento para bem longe e volto a tempos imemoráveis, tempos que se perderam, mas que me fizeram crescer. E amadurecer.


Sorrio. Ainda, interiormente, sou a menina que acreditava nos sonhos.  


Olho a paisagem como se fosse um espelho de mim: vagueio naquela praia, subo a escadaria da minha capela favorita, onde o som das gaivotas e o ruído do mar se confunde com o silêncio, enterro os pés na areia molhada e respiro a natureza.


Tanta lembrança! Tantos sonhos!  


E, entre a menina que outrora fui e a mulher que sou, há um sentimento novo que me preenche por completo e me faz desejar, cada vez mais, viver.


O prazer de sentir nos meus braços o meu neto Luca!  


O meu coração, todo o meu ser, enche-se de amor.

Um amor novo mas imenso como o mar.

Autoria e outros dados (tags, etc)


por Menina Marota, em 03.01.14

Janela aberta para o mundo...

Pintura de Aaron Wiesefeld

 

 

O Paulo de Carvalho dizia na sua canção que "…10 Anos é muito tempo/ Muitos dias, muitas horas a cantar…" 

Eu digo que 8 anos (feitos em Outubro passado) é muito tempo para ter um blogue sem acesso! 

Pois é… o primeiro Menina Marota a que eu carinhosamente chamava o “blogue da Menina do baloiço” e cujo Template inicial foi construído pelo Andy, do blogue A babushka, estava inactivo desde a mudança das plataformas e apesar de ao longo dos anos ter feito uma série de tentativas para o recuperar, nunca consegui. 

Finalmente o Sapo recuperou parte do blogue e deu-me entrada nele. Abri hoje pela primeira vez, após oito anos de ausência, as janelas desta "casa". 

E como oito anos é, realmente, muito tempo, muita coisa aconteceu incluindo outros blogues onde fui escrevendo e partilhando aquilo que me apeteceu no momento. 

Acontecimentos pessoais marcaram, entretanto, a minha vida pessoal. 

Um dos maiores e melhores foi, sinceramente, o facto que me levou a alterar o título inicial deste blogue (Menina Marota) e intitulá-lo "A Menina Marota já é Avó!". 

Pois é… já sou Avó, desde 22 de Fevereiro de 2013. 

E estou imensamente FELIZ! 

A recuperação deste blogue é, pois, dedicada ao Luca. Aqui contarei algumas gracinhas do menino dos meus olhos.

 

Grata ao Pedro Neves, da Equipa do Sapo, pela gentileza e pelo trabalho que teve nesta recuperação.

 

A Todos...

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor